sábado, 28 de junho de 2008

Saudades... Quem diria? rs...

Quando a gente é adolescente e passa a vida toda sendo controlado pelos nossos pais, não vê a hora de se livrar dessa clausura e vive dizendo " o dia que eu sair de casa, não volto nunca mais!" É ou não verdade? Principalmente quando rola aquela briga fenomenal com seu pai, do tipo que ele joga na sua cara que te deu tudo do bom e do melhor e que você é que não sabe reconhecer, nessa época você só pensa e até diz pra ele " não fez mais que sua obrigação, afinal, você é meu pai!" É estranho assumir que pensamos assim, e que muitas vezes por mais que amamos papai e mamãe, temos vontade de sumir com eles ou ao menos a gente mesmo sumir da vida deles pra não ter que aguentar nenhuma lição de moral. Não há nada pior do que você ter certeza que é um ótimo filho, estuda, trabalha, não faz nada de mal, nem usa drogas e da sua familia você é um exemplo em relação aos outros da sua idade, e mesmo assim, ouve dos seus pais várias reclamações (infundadas na sua opnião), e ainda escuta horrores vindo deles em relação a você e não, nenhum tipo de reconhecimento por ser ótimo no que você faz, ser um destaque no que se propõe a fazer tipo : ganhar aquele campeonato de basquete, ter a melhor nota da sala, ganhar prêmio de melhor atriz, passar no vestibular ( entre os primeiros colocados por sinal), ser super elogiado por todos pela sua educação e cultura, enfim, tudo isso parece não valer a minima pra seus pais, aliás, parece que só enxergam que você chegou tarde em casa ( mesmo que isso não seja comum pra você), que você deixou de fazer alguma tarefa pra eles, ou que você não tem a profissão e/ou nem o trabalho que eles queriam que você tivesse, essas e outras coisas parecem ter mais brilho na hora de sermos agraciados por sermões dos nossos pais. Não é sempre que isso acontece, mas quando acontece, a vontade de chutar o pau da barraca, falar o que vier na cabeça, ou até mesmo ir embora de casa entram e saem da nossa mente um milhão de vezes.
Oras, temos que reconhecer, nossos pais são uns heróis, são ótimos, relamente te deram tudo que foi possível, amam você sem dúvida e só querem seu sucesso, mas que eles conseguem magoar e ferir nossos egos, isso eles fazem muito bem! Na época de adolescente você não entende muito bem porque eles tem essa dupla personalidade, porque eles não te elogiam na sua frente, mas você sabe, que pros amigos deles, eles te põe num pedestal, dae você se pergunta " custa assumir pra mim que eu sou bom e parar de reclamar de mim?" Bom, a gente sabe que eles não vão fazer isso, então como cada um de nós lida com essa situação é bem diferente, alguns discutem, brigam e arrumam a maior confusão em casa e até saem de casa, mas infelizmente pela porta dos fundos, deixando em casa apenas a decepção nos corações dos pais. Outros (me incluo nessa categoria), apenas engolem seco todos esses momentos, e como todos os outros, tentam arrumar um jeito de sair dessa situação, alguns saem de casa, outros nunca saem(talvez por pirraça...rs..!) Os que saem tem duas opções normalmente: saem de casa casados, fazendo a maior festa e juram que só estão saindo de casa por amor a outra pessoa com quem estão casando e nada mais(vamos combinar que nos dias de hoje isso é muito raro, afinal casar com 18 só por amor é meio utópico hoje em dia), outros resolvem bater cabeça sozinho, arrumam um lugar pra morar, um empreguinho pra se manter e ficam comendo o pão que o diabo amassou calados em casa sozinhos, pra não dar o braço a torcer que é fogo viver sozinho, sabendo que papai e mamãe não vão mais pagar suas contas e que vai ter que deixar de ir em algumas baladas, comprar algumas futilidades entre outros, pra poder pagar a conta de luz do seu cafofo e por aí vai.
Enfim, fazemos de tudo pra poder nos livrar da casa dos pais e isso não quer dizer que não os amamos e os respeitamos infinitamente, significa apenas que queremos cultivar nosso senso de individualidade e que não queremos mais viver sobre aprovação dos outros e sim tomar nossas decisões sozinhos (claro, nos livrar dos sermões deles também! rs...).
Maravilhoso não é? Sair de casa, independente de como for, é sempre muito bom. Mas melhor ainda e poder depois de passar a adolescência, reconhecer o quanto seus pais são maravilhosos, e se você hoje é o que é, mesmo sem eles não terem te incentivado como você queria, você deve isso a eles, mesmo que você ache que não, pois na pior das hipóteses, você chegou lá nem que tenha sido só pra provar pra eles que estavam errado a seu respeito e que você é sim uma pessoa responsavel, competente e orgulhavel! (Aliás, quem disse que eles não te esculacharam de caso pensado exatamente pra despertar essa força em você?)
Não dá pra reclamar desses seres que nos aguentaram por 18, 20 ou até mais anos, com todo amor e disposição, fornecendo tudo que nos era necessário (dentro do possível) pra chegar onde estamos.
Faltam poucos dias pra eu ver meus pais denovo, isso me fez lembrar dessa fase de confusões e pensar o quanto eles foram fundamental pra eu me tornar afigura que sou hoje. Se sou forte, independente, decidida e batalhadora (isso os outros quem falam...rs...), sou assim porque de um jeito ou de outro eles me fizeram ser assim, seja por meio de brigas, esculachos, me desafiando a prova-r a eles o quanto eu era boa, ou nos momentos de carinho, risos e muito amor que sempre me deram.
Hoje, como vocês sabem, não moro mais com eles, nem quero voltar a morar, amo muito os dois, mais já passei do estágio de dependência deles.
Sim, sinto muita falta deles, saudades imensas, mas sei que eles sentem mais saudades de mim talvez do que eu deles. Não que eu não fale com eles sempre, mas reconheço, demoro um pouco pra vê-los, e tenho um pouco de aversão a falar no telefone com pessoas que eu tenho saudades (confesso, dá vontade de chorar só porque não posso abraçar via telefone), então passo muito tempo distante deles por diversos fatores e principalmente pela correira e pelo ritmo de vida que eu tenho tido. O fato é que eles estão terminando sua viajem de férias, e durante o período que estiveram viajando, falei com eles apenas duas ou três vezes (bem rápidas por sinal...), mas terça-feira eles estão de volta e poderei matar saudades dos dois seres que mais amo nessa vida.
Mesmo que eu saiba que depois vou voltar a rotina de vê-los quase nunca e falar muito pouco com eles, só de saber que ainda tenho a possibilidades de abraçá-los e dizer o quanto eu os amo é fantástico.
Nessas horas, a gente esquece tudo que ouviu deles e que nos machucaram e sim, repensamos tudo que fatalmente falamos ou fizemos que os machucaram também, e no meio daquele abraço saudoso, só pensamos em eternizar os momento felizes que eles nos prporcionam e quão feliz você é por eles existirem te amarem também, do jeito deles, as vezes demonstrando e muitas vezes não, mas certeza que amam.
Bom, vou parar por aqui, já escrevi demais hoje e já tô começando a chorar, coisa que não é muito comum pra mim admitir (adoro me fazer de forte e insensível, fraca jamais! eu sei.. isso é idiotice, mas fazer o que? mulherzinha sagitariana é fogo...rs...)
Vou deixar vocês livres dos meus posts nesse domingo, até porque vou estar me preparando pra ver papai e mamãe e matar toda a saudade do mundo que sinto deles e podem ter certeza... vou dizer que amo muito os dois, coisa que eu recomendo que vocês digam pros seus, faz tão bem, vocês não tem idéia!
Bjos anjinhos!
Apoveitem bem o findes e até o próximo post....
Dani Lima :)

2 comentários:

Jow disse...

Papaiii, mamãeeee!!!
Nossa que declaração de amor mais linda e verdadeira hien!!!
Acho legal dos seus posts, a sinceridade q vc colocar em suas palavras...são tão profundas...sem brincadera eu imagino vc falando e digitando td isso e te admiro ainda mais!!!
Mas sabe oq é mais fantástico, eh q não sei de q forma, mas muitas coisas q vc fala eh como se eu estivesse falando...ou pelo menos pensando...adorooo oq vc escreve...me identifico mto com td...
Bjão linda sagitariana, orgulho dos pais!!!

Bjos!
Te Adoro!!!

(=

Nanda disse...

Amei o post! Me identifiquei tbm! Vico nesse dilema, mas não abro mão dos meus pais de jeito nenhum! E não deixo de dizer o quanto os amo sempre! Ai ai... vou ali dar uma abraço na minha mamãe enquanto a tenho por perto! ;D Meu papis não ta aqui, ta trabalhando numa cidade vizinha... rsrs
Beijos, Dani!