domingo, 28 de novembro de 2010

Pout - Pourri...

Olhares alheios, julgamentos. São todos espelhos espontâneos da vida. Mas não tem espelho melhor que o de dentro pra fora. Esse é o reflexo mais fiel, o mais verdadeiro. Nesses últimos dias, revi muito o meu passado e enxerguei uma pessoa que tinha esquecido. De agora em diante, vou me olhar mais no espelho. Sem medo de quebrar. Não acredito em azar.

E o amor? Essa coisa que ninguém sabe direito como funciona. Quando a gente idealiza demais, se frustra. Quando deixa as coisas simplesmente acontecerem, se machuca. Mas não tem jeito, né? Eu queria conseguir viver sozinha, mas sou intensa demais pra não ter com quem dividir. Acho que transbordo. Minha vida não cabe só em mim.

Amigos são a família que a gente escolhe. Uns dão uma passadinha pela nossa vida, outros ficam pra sempre. Não importa. São pessoas que, de um jeito ou de outro, acrescentam alguma coisa. Sempre achei que existem vários tipos de amigos: amigo pra conversar, pra sair, pra dar risada, pra viajar… e até pra virar marido.  


Queremos ser achados? Ou deveriamos continuar escondidos (e protegidos) em nosso mundinho particular? As novas tecnologias…ainda não sei direito o que penso delas. Por um lado, elas nos permitem achar tudo. Por outro, permitem que nos achem sempre. Acho que sou mais achar do que ser achada. Nossa. Quanto achismo.

Sou meio tragédia, meio comédia. Às vezes, os dois ao mesmo tempo. A gente vive interpretando papéis, usando máscaras que nos protegem de quem realmente somos. Ou que nos transformam em quem realmente queríamos ser. Mesmo que só por um dia, uma noite. A nossa história é uma peça de teatro, em vários atos, sem intervalo.


Vontade de desistir de tudo e sair correndo. Mas tenho um compromisso com a vida, e me manter firme e forte faz parte do trato. Mas antes disso, posso chorar por 5 minutos?


Nem precisava dizer nada. Nem precisa se importar. Nem precisava lembrar. Mas disse, se importou, lembrou de mim. Acho que o amor é isso. É ter tudo o que a gente acha que não precisava, mas quando tem, descobre que não consegue viver sem.


Encarar o espelho e tentar entender quem somos. Sei que a metáfora soa estranha, mas às vezes me sinto como um liquidificador. Que mistura um pouco de tudo e faz virar alguma coisa. Melhor ou pior, depende do ponto de vista. Sou um mix de tudo que aprendi, de tudo que vi e que vivi. 
 

sábado, 27 de novembro de 2010

Pra sempre...

É... a gente fez a pré-escola juntas... sempre se conheceu mas só na faculdade viramos amigas...
E foi muito bom ter virado sua amiga Érikinha... a primeira amiga que fiz na faculdade, identificação instantânea... a pessoa mais doce e louca que já conheci... dona de uma meiguice gigante, que acho que você nem tem noção do tanto... amiga fiel, carinhosa, e que topa qualquer parada... nos infiamos em cada roubadas juntas né? Você sabe segredos meus que ninguém mais sabe, você que conhece meu lado mais sincero e humano, você que era a mascote, mas sempre uma grande pessoa. Uma das pessoas mais divertidas e bagunceiras que eu conheci, cúmplice total, com uma visão de mundo muito parecida com a minha, e nós temos tanto em comum, que eu não poderia te considerar nada menos que uma irmã. Fato, que nos últimos tempo, você sendo a mãe mais amorosa e exemplar do mundo, correndo atrás do que o universo reservou pra você e eu... fazendo a mesma coisa , exceto ser mãe, por enquanto...rs... não nos vemos mais como antes né? Eu me dou 100 chicotadas toda vez que eu vejo que eu não tô mais tão presente na sua vida, que eu não pude acompanhar de perto tudo que você tá vivendo, o Andrézinho crescendo.... aiiiii que inveja de quem tá sempre contigo viu... Eu queria que você soubesse que eu morro de saudades de você, que eu queria muito ser mais presente no seu dia-a-dia baixinha linda do meu coração, mas enquanto eu não consigo isso... saiba que eu te amooo muito, de verdade, sem medo de clichês e nem de parecer cafona, te amo pela pessoa fantástica que você é, pela amiga perfeita que você sempre foi, e te amo porque sem querer querendo, voc acabou virando minha irmã de alma, e se houverem vidas passadas certeza que a gente sempre foi irmã/amigas. Te amo Érikinha e te desejo tudo de melhor que a vida puder dar pra uma pessoa e muito mais... muita saúde, paz, felicidades de monte, sucesso e dinheiro no bolso sempre...Que a sua família, principalmente aque você está construindo agora com o Perciva e o Andrezinho seja muito feliz e abençoada, porque você merece ser muito feliz sempre... Desejo que todos os seus desejos se realizem...


Ps.:Ah... fica sabendo que quando eu sair do projeto de ter filhos e executar, você vai ser minha guru ok? ahhaahaha

domingo, 14 de novembro de 2010

Encontro de almas...

O destino... ah.. o destino... ele sabe como manipular a gente... como nos surpreender... como nos deixar tristes e também muito felizes...
Deus... destino... ou simplesmente coincidência... sabe-se lá o que de fato fez com que a gente se cruzasse nessa vida... Dois seres intensos e extremos se odiando e mal gostando sem nunca terem se falado...  Nada que uma conversa no bar não transformasse... Desde a primeira vez que realmente conversamos, para surpresa geral da nação, começamos a nos respeitar e dali para um ganhar a admiração um do outro foi muito natural... bastou sermos nós mesmos e deu certo... um caso de amor surgiu... uma amizade inseparável... uma irmandade de almas que jamais poderíamos ter imaginado que surgiria... Pois é, Dieguito... você... eu... aprontamos muitas e boas desde que viramos cúmplices... você e eu sempre trocando olhares maldosos... risadas sacanas... ouvindo nossos choros escondidos... desabafando mágoas que ninguém no mundo poderia ter acesso além de nós... Você fez minha caminhada na faculdade uma diversão, minha dupla de todas as horas... Superou os perrengues... chorou com com o tcc... quis matar meia dúzia... tomou banho de balde de água gelada no meio da rua... se jogou no chão... gritou... fez cara feia e carão... cantou infindáveis musicas comigo no Leograf... musicas que as pessoas não imaginam que a gente poderia ouvir... passou horas gravando na rua... no estudio... fotografando... editando... reclamando... adorando... amando... rindo... debochando... É... foi sempre a maior curtição... Você Diego Augusto... que esteve comigo nas melhores e nas piores horas dos últimos anos... você Xuxu... que me faz morrer de saudades por estar longe e não ter mais você todos os dias como antes e me faz feliz de saber que assim como eu... está mandado ver na sua vida e nos seus sonhos... conquistando seu espaço merecido... mesmo a duras pedras... tomando lugares que são seus de direito... Você Di... que tem uma armadura de ferro na cara e um coração de manteiga.... que aprendeu a ser forte como chumbo... mas é tão amável quanto um bebê que dorme silencioso em nossos braços e quando acorda apenas sorri nos encantando... Você amor... que é meu amor-amigo-irmão que levarei pro resto da eternidade... que quero sempre muito bem... que espero sempre sua felicidade ... que eu gostaria de ser mais presente (mas fazer o que né? somos adultos e agora a vida tá num ritmo frenético pra nós). Você que eu lembro quando acontece algo de muito legal na minha vida... você que eu lembro quando escuto ou vejo nossas musicas e divas... você que vai tá pra sempre guardado na minha vida... só tenho a dizer à você: muito obrigada. Muito obrigada por você existir, ser meu amigo, por tudo o que você é.... muito obrigada. E já que hoje é seu aniversário e não estou aí pra ter aquele abraço... olha a foto e lembra da sensação desse abraço... da felicidade e gratidão que tinha nele e sinta-se abraçado denovo e sempre... Diego... meu melhor amigo... desejo que você tenha muitos e muitos dias maravilhosos e felizes na sua vida... que sua vida seja longa e prazerosa... que você possa se orgulhar dela sempre e dizer : valeu a pena.... que você encontre na sua vida muitos amigos que assim como eu irão te amar e te emanar energias positivas enquanto viver e depois disso... parabéns pelo o que você é... e que orgulho eu tenho de você... te amo xuxu!

domingo, 10 de outubro de 2010

Vivendo perigosamente...

A vida as vezes é um carrossel... outras vezes é um caleidoscópio... as vezes é boa... as vezes é péssima. Na verdade a vida é tudo isso. A gente é tudo isso. Somos um enorme nada que precisa ser preenchido. E ser nada é a possibilidade de ser tudo. Sendo nadas e vivendo nadas podemos ser e viver tudos. Visto isso, é preciso ter consciência que estamos nessa vida e somos quem somos, e que é preciso ter coragem pra enfrentar tudo que vai preencher nosso nada. Coragem. Palavrinha que na verdade ninguém sabe bem o que é. O que é ter coragem? Pular de bung jump de uma ponte altissima, escalar uma montanha, saltar de um avião? Acho que pra mim isso não é ter coragem. Coragem é enfrentar a gente mesmo. É olhar no fundo dos nosso próprios olhos e conversar de verdade com a própria alma. Coragem é aceitar que a gente é ruim também. É olhar pra si e querer mudar o que não é bom, não só fisicamente, mas principalmente o que esta na nossa essência. Mudar o que preenche o nosso nada. Mudar tudo. Mudar nada. Viver tudo. Viver nada. Viver de verdade, isso sim é ter coragem. Viveremos então perigosamente, buscando sempre a coragem que nos falta pra simplesmente viver.

Beijos!
Danielle Lima =)

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Metadinhas...

Não sou um brinquedo que pode se quebrar facilmente. Não tenha medo. Não sou feita de vidro nem de porcelana. Não tenho aparência frágil, tenho?
É insuportável quando você nota que está recebendo meias verdades, meio sentimentos, meia bronca, que a pessoa não te te contando tudo achando que isso é melhor pra você. Desculpa baby, odeio metades. 
Gosto do inteiro. Sou inteira e me entrego assim. Quando tenho algo que realmente quero dizer, digo por inteiro. Por que cargas d'água as pessoas não me tratam assim?
Penso que devo parecer ser algo muito fácil de quebrar, de se desmanchar, algo que não sobreviva à sinceridade.
Aviso aos navegantes: eu sou feita de carne, osso e alma, e nenhum deles se quebra com verdades.
Penso também, que talvez às pessoas não confiem em mim, ou me achem imatura, ou acham que eu posso matar alguém...
Ei... apesar de gritar alto, eu não seria capaz de matar alguém... nem gosto de sangue... passo mal.
Definitivamente não sei quem as pessoas acham que eu sou. Sei de algumas coisas, sei que que eu posso até assustar, mas tenho a nítida impressão de que ninguém me conhece.
Nem meu pai, nem minha mãe, nem meu marido, nem meus amigos... as vezes penso que você que lê meu blog talvez me conheça, mas daí eu lembro que você só me conhece por dentro, uma parte, assim como todo mundo. Queria que todos me conhecessem de verdade, me pouparia lágrimas, discussões, caras feias, inimizades, oposições e bajulações. 
Mas daí também... qual seria a graça de ser tão transparente assim? 
Cheguei a conclusão que tudo isso é culpa minha. 
Não tenho sido tão aberta com ninguém. E tô certa que estou certa. Não dou a ninguém tudo de mim, em troca elas me dão metades e a falsa idéia de que me intrego por inteiro talvez seja só minhas emoções, meus pensamentos eu também guardo mais que as metades. 
Taí, vou guardar a mágoa de ser tratada assim e vou continuar sendo assim também.  mas digo já que minhas metades são dadas de coração, sempre achando que vão achar a minha outra metade, e não tô falando de alma gêmea não.

Beijos... =)
Danielle Lima

domingo, 15 de agosto de 2010

Daquilo que se queria ser praquilo que se tornou...


"Lá vou eu como um barco... sem rumo e sem farol..."

Opa... entramos no ultimo semestre do ano e só hoje eu parei pra ver uma coisa: como estão sendo meus dias.
Anda tudo tão corrido, tão acelerado na minha vida que eu por muitas vezes esse ano já me perdi de mim mesma, tentando achar no corre-corre quem eu sou. 
Fim da minha pós graduação, montagem da Ópera do Malandro na Escola de Artes Cênicas, provas, mudanças na escola, mais uma bateria de testes e ainda tem meu blog que eu não posso largar, tudo isso me enlouqueceu nos ultimos meses. 
Quem é de fora sempre acha que caiçara passa o dia na praia, surfando, curtindo a marola e vive bronzeado. Sendo assim, não sou mesmo mais tão caiçara... Branca com bronze de escritório, acordo as 6h30 da manhã pra começar o dia e só termino ele as 1h quando consigo dormir. Sinceramente isso não tá me fazendo muito bem, não ando muito sáudavel, fico doente por qualquer coisa, unhas e cabelos enfraquecidos pela falta de vitamina e stress.
Ai...Quando a gente é adolescente tem tudo planejado pro nosso futuro né?
É só remexer minhas coisas antigas e ver aquela famosa camiseta rabiscada dos amigos do colégio...
Ai.. eu rio quando releio os recadinhos da galera cheios de coisa tipo : "daniii... boa sorte na sua facul de farmácia, vai ser a unica farmaceutica marketeira" ...rs.... Sentiu como não segui meus planos? rs...
Ai eu queria ser famacêutica e bioquimica, dizia até que só iam descobrir a cura da Aids quando eu me formasse...rs.. Ok.. sempre fui um pouco pretenciosa. Achava que podia fazer tudo ao mesmo tempo, Farmácia, Publicidade e Artes Cênicas... loka né? 
Queria ter a minha própria compania de teatro, já que como fiz teatro desde criança, imaginei que com 20 já seria dona do mundo.
Ai... que saudades de todos esses planos e que bom que eles não se realizaram.
Sim.. bom! Precisei sair fora deles pra me tornar o que sou hoje... e sinceramente sou muito feliz e satisfeita pelas peças que o destino me mandou, eu até amadureci um pouquinho acredita? rs... Suspeito que se tivesse sido aquilo que eu achava que podia ser bom pra mim, hoje eu não tava eu estaria mais perdida do que cega em tiroteio. Teria me perdido pelo caminho e fracassado.
As coisas não sairam como eu esperava aos 16 anos, mas hoje aos 23, eu to pos graduada numa profissão que eu sei que teria um puta futuro promissor, digo isso pelos prêmios que recebi durante a faculdade e porque sim, eu tenho talento pra publicidade, e mesmo assim to com o diploma guardado lá na faculdade, porque nem fui buscar ainda. Não que eu não goste da Publicidade, mas precisei passar por mil caminhos pra encontrar o que eu realmente amo fazer na essência, e desculpa pai, desculpa mãe, eu amo o teatro. Descobri a única coisa que eu faço com tesão e sinto prazer fazendo, além de sexo, uma coisa da qual por mais cansativo, por mais estressante, por mais enlouquecedor que seja, eu amo mesmo assim e fico feliz mesmo chegando em casa e desmaindo de cansanço. Isso realmente bota um brilho nos meus olhos. Nesse ultimo ano eu não ganhei nenhum dinheiro e tô muito realizada, porque ganhei confiança em mim mesma. Não que eu me ache uma atriz fenomenal, mas hoje eu sei que eu posso chegar lá.

Queria ter um apartamento de frente pro mar aos 18, hoje tenho um quarto, sala, cozinha e banheiro num bairro bem longe da praia. De farmacêutica virei publicitária, e com feeling pra cinema, aliás, já sei o que fazer pra ganhar dinheiro quando eu ficar velhinha: serei cineasta... rs... mas hoje eu quero mesmo é ser atriz.

Absorvi todo o conhecimento que passou na minha frente a vida toda e hoje eu sei que mesmo não sabendo tudo que eu preciso, de tá começando na profissão de verdade agora, depois de quase 6 anos estudando pra outro, minha cabeça tá lotada de coisas uteis que aprendi nesses anos que me garantem poder encarar o mundo de frente.

Meus amigos não são os mesmos da época da escola. A gente sempre acha que de um jeito ou de outro a gente vai arrastá-los pela vida toda. Ainda bem que existe orkut e pelo menos nos aniversários a gente troca scrap, porque a vida sempre leva cada um prum lado. Isso é bom também, nos obriga a abrir horizontes e formar novos circulos, apesar de sempre ter um time pequeno que a gente segura o quanto pode pela mão pra não se perder, mesmo morando longe, a gente faz questão de estar perto em sentimento.

Durante os ultimos anos, várias pessoas passaram na minha vida e fizeram eu me tornar mais forte do que eu achava que fosse, mais capaz e me desafiaram a ser melhor que eu mesma achava que era e isso é muito gratificante, as vezes nem agradecemos de verdade mas a gente sabe o quanto as pessoas nos querem bem e as que não querem também...e isso é muito bom...rs.  

Tô com fome de futuro.

Quero uma boa leitura, um papo-cabeça em que eu possa clarear. Preciso de música boa, filmes de verdade e pensadores que me façam voar. E não me importo se estes são da época do my space, youtube e afins ou se tenho que vasculhar séculos para achá-los.
Preciso que as pessoas ao meu redor acreditem mais em mim, preciso de apoio. Não quero ficar perdida em mim mesma por questões impostas pelos outros, quero continuar eu mesma, escolhendo as opções que o destino me propõe.
As vezes a unica coisa que me cansa é só de ser tachada de impaciente, inquieta, inconstante, emocional, incomunicavel, introspectiva e intoleravel como se tudo isso fosse só ruim, isso sou eu e que mal há nisso? mas depois isso passa também...
Na verdade o que procuro é "pureza". Na arte, nas coisas e nas pessoas. E para alcançá-la, às vezes é preciso ser muito impactante. O que é puro, é sincero, e isto, muitas vezes é brutal.
E talvez quem eu era há uns anos atrás não pareça nem um pouco com quem eu sou hoje e talvez o que sou hoje não parecerá com quem eu serei daqui há mais alguns anos, mais ai é que tá a graça da vida, a mudança, a invenção, a reinvenção, o encontro e o desencontro nosso conosco mesmo. E tá bom pra mim....

"Lá vou eu como um barco... que já sabe o seu farol"

Bjos doces e sorrisos azedos pra vcs..
Danielle Lima =)


domingo, 8 de agosto de 2010

Sobre decisões definitivas e escolhas...


Certo ou errado... justo ou injusto.. razão ou emoção.. cabeça ou coração...
Não existe uma fórmula certa pra tomar decisões... Afinal, o que é certo e justo pra mim pode ser o oposto pra você... A unica coisa certa na tomada de decisões é que sim... aquele papo de cada escolha uma renúncia e, a gente não pode avançar sem deixar um monte de coisas pra trás, é sim verdade. E me desculpe se você não queria saber disso.
Escolher dói... dóí em quem escolhe, dói pra quem torcia que a escolha fosse outra.. mas ei... a escolha é só sua.. e se você sofre quando tem que decidir alguma coisa, seja bem vinda ao mundo das pessoas grandes e chatas.
 Quando a gente é criança os outros escolhem por nós e se temos que escolher alguma coisa não nos preocupamos de verdade com a repercução disso, então escolhemos os sabores e cores da nossa vida sem culpa... Mas assim que mesmo sem querer somos iniciados no mundo das pessoas grandes e chatas a primeira coisa que temos que fazer é escolher algo, é um rito de passagem. De cara, falam pra gente escolher o que queremos do futuro, pra qual profissão prestaremos vestibular, em que universidade e nos dizem que é isso que vai nos definir como pessoa. Hey baby... se você realmente acha que isso é verdade... sinto muito mais é melhor acordar... o que nos define não são nossas escolhas mas como escolhemos...
Enquanto crianças somos uma flecha sendo lapidada pra ser usada no arco dos nossos pais pra encontrar o sonho que eles tiveram em relação a nós... agora se você vai continuar sendo flecha e vai seguir diretamente e acha que depois disso você não vai mais poder mudar, que você vai ter que ser o advogado formado pelo Usp pela vida inteira e só isso... acorda!!! Vou te contar um segredo... quando eles nos atiram como flechas, de uma forma mágica nos tornamos pássaros, isso mesmo, pássaros, e voamos pra onde nós realmente queremos. Se voamos pro destino pra onde iriamos quando flecha, graças termos virado pássaros a gente pode voar de lá quando quisermos, e podemos ficar também, sem dramas. Claro que seu pai vai achar mais bonito dizer que tem um filho advogado do que um filho ator/palhaço... é mais bonito pra contar nas rodas dos amigos, mas o que dá mais felicidade hein?E ele não quer que você seja feliz? Todo pai quer, sem exceção, a chatice deles é sempre baseada nisso. Não tenha medo de não seguir o destino como uma flecha, nem de não ir pra lugar nenhum e de fazer ninho em outro lugar, não existe certo ou errado, existe apenas uma escolha, das milhares que você vai fazer na vida. Logo mais você vai ter que escolher com quem casar, se vai ter filhos ou não, quantos, se vai seguir na profissão da qual se formou [sim, diploma n é garantia de certeza], se vai continuar num relacionamento ou não, se vai ser feliz ou triste... você vai escolher tudo, a vida inteira, e vai ser sempre... uma eternidade de escolhas com cara de definitivas como no vestibular, mas olha, definitivo mesmo só que a gente morre, nem o que acontece depois é definitivo. Não tenha medo de escolher, não tenha medo de ser egoísta nesse momento, a vida é sua, mas também não ache que é ridiculo ceder numa escolha pra viver mais confortavelmente por enquanto e depois se você escolher mudar de idéia mude.... O problema está só em viver achando que não se pode mudar e psiu... você sempre pode mudar.
Eu??? Tenho tantas escolhas pra fazer...
Como disse... mesmo depois da universidade elas nunca acabam...
E sabe.. já sofri horrores por causa delas... hoje.. tenho menos medo de escolher porque errar realmente é tão comum... e todo mundo tem o direito... então sempre escolho, com um frio na barriga, mas escolho. E tenho sido muito feliz assim apesar das milhares de dúvidas e caminhos que surgem todos os dias... mas já que é só assim que a gente vive... quero mais é viver...e sei que você também quer... não me engana hein? rs...

Beijoquinhas... ;)
Danielle Lima

sábado, 31 de julho de 2010

Sendo...


Eu não sou mais uma universitária. Eu não sou mais a menininha do papai. Eu não sou mais aquela que tem medo de mudar de cidade. Eu não sou mais aquela que sonhava morar em São Paulo. Eu não sou mais a amiga do fulano. Eu não sou mais a pessoa que começou esse blog. Eu não sou mais o que eu era antes.
Mas estou tão confusa que nem sei mais se o que eu era antes realmente era EU. Mas como será que a gente sabe uma coisa dessas?
A lagarta quando vira casulo sabe que está se preparando para virar borboleta?
E a borboleta se lembra quando foi lagarta?
Estou pressentindo que é hora de fazer o meu casulo. A fase da lagarta louca que engole tudo que vê pela frente deve estar passando... ou eu apenas cansei de rastejar de galho em galho.
Danielle quer voar com asas próprias...

"- Qual caminho devo seguir?

- Depende. Para onde você quer ir?

- Para qualquer lugar...

- Se você quer ir para qualquer lugar, qualquer caminho serve."

Paro.. penso... olho... e não consego enxergar muita coisa, minha vista anda meio embaçada... Mas que tipo de óculos eu realmente preciso, o que vai me ajudar a ler melhor ou o que vai me fazer enxergar o mundo de uma forma mais nítida?
Eu sou uma pessoa movida por barulho, não consigo ficar um minuto em silêncio, o silêncio me mata, me aflige, me sufoca... Talvez por isso como diria meu pai, estou ficando surda de tanto ouvir. Ouço todo mundo, ouço musica o dia inteiro... eu já nem sei qual é meu gosto musical porque na verdade pra quebrar o silêncio qualquer musica serve... Medo do silêncio... Uma vez alguém me disse que esse meu medo do silêncio era o medo de ouvir a mim mesma, coisa que só se faz bem em silêncio. Realmente eu sempre tenho medo de me ouvir... prefiro tagarelar do que ouvir a mim mesma... escutar meus pensamentos.. meus medos.. minhas crises.. minhas alegrias e meus fracassos...

Ontem eu fiz silêncio.

Venho ensaiado esse silêncio faz uns dias... toda vez que eu começava a me ouvir eu ficava triste porque eu só ouvia ainda o que as pessoas diziam e não realmente EU...

No silêncio que fiz ontem eu me ouvi... claro que foi bem dificil... claro que eu ouvi muita coisa que eu não gostei... mas também ouvi muita coisa que eu gostei... e percebi o quanto eu vivia sufocada por mim mesma... vi o tamanho da tristeza que eu tinha me afundado e que tentava disfarçar com risadas altas... Percebi a quantidade de lágrimas que eu evitei de derramar pra manter o ar de fria e calculista... Percebi o quanto eu tentei me distanciar de todos os sentimentos pra não sentir coisa nenhuma... mas vi que isso só me levou a uma tristeza interior profunda...

Que espécie de pessoa feliz passa horas olhando o nada... ouvindo qualquer coisa e tentando achar meios de esquecer que vive?

Realmente durante muito tempo eu vinha apenas sobrevivendo nesse mundo... não estava vivendo nem um pouco...

Eu preciso de ar... preciso viver... preciso ouvir mais... falar menos... pensar mais... agir mais...

Descobri que sou uma pessoa de excessos... tudo meu precisa ser muito... Se é pra rir, tenho que rir muito.. se é pra chorar, tenho que chorar até os olhos incharem... Se é pra beber, que seja até perder a conta... Se é pra criar, que seja até fazer uma obra-prima... Se é pra irritar, que seja pra pessoa não querer mais ouvir falar meu nome... Se é pra dançar, a música não pode parar nem um segundo e nem os pés reclamando não se pode parar... Se é pra beijar que seja até perder o sentido... Se é pra fazer sexo que seja até cansar... Se é pra odiar que seja profundamente... Se é pra amar,que seja pra sempre.... Se é pra morrer que seja de excessos, porque morrer de ver o nada eu não quero mais...

Se é pra viver.. que seja do jeito Danielle que realmente é... em excesso... em profundidade... em intensidade... chega de meio termos.. chega de disfarçar o silêncio... se for pra ouvir música agora.. que seja apenas pra permear a trilha sonora do meu dia.. não pra esquecê-lo...

Não sei no que vai dar essa vida de excessos... porque realmente eu ainda nem sei direito o que fazer com tudo que eu descobri de mim mesma... mas vou te falar que eu to feliz pra caralhoooooo...
Denovo eu penso....

"- Qual caminho devo seguir?

- Depende. Para onde você quer ir?

- Para qualquer lugar...

- Se você quer ir para qualquer lugar, qualquer caminho serve."

Tô apostando nessa por enquanto... mas só até eu ter certeza da onde eu quero ir... se vai demorar ou não... dane-se.. to feliz agora.. to feliz assim... cansei de ter que ter certeza de tudo sempre.. de ter que ter opnião sobre tudo sempre...cansei dessas coisinhas de me importar em ser a pessoa perfeita pros outros... que eu agrade vocês do jeito que eu sou.. fazendo o que eu sei fazer.. do meu jeito... Sei que posso melhorar muito ainda... mas não vou ficar neurótica pra alcançar a disutivel perfeição... porque eu já sou perfeita ao meu modo.... o resto é adaptação...

De uma coisa eu tenho certeza hoje... certeza absoluta... O mundo só anda pra frente e a gente nunca avança sem deixar uma monte de coisas pra trás... Eu? To avançando... rs...

Beijoooosss Gurizada linda da minha vida.... =D

Danielle Lima

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Fast Food ...

Percebi que ultimamente todos tem um medo inexplicável de se relacionar. Uma pulguinha atrás da orelha, um pezinho atrás com o/a fulano/a, e certa culpa por se sentir assim. Aí fiquei pensando: será a tão já falada idéia das relações descartáveis? Será desilusão uma atrás da outra? Será que só existe uma relação especial profunda e doída e depois dela nunca mais? Eu não sei. Mas como explicar essa dúvida que atormenta a cabeça das pessoas pós vinte , que não conseguem se jogar e se armam até os dentes de tolerância zero contra os defeitos e possíveis sacanagens do outro? Algumas inclusive pulando de cama em cama e fazendo questão do desapego. Eu não sou psicóloga. Mas é muito ruim viver assim. Sem a sensação de “deixa a vida me levar”. A coisa se torna racional: “ele é bacana, me trata bem, é carinhoso, inteligente” e ainda assim tem o “mas não sei...” como se a gente estivesse namorando um tigre! Lindo e perigoso, bonitinha mas ordinária.Ok. Que a gente não PRECISA mais de homem (ou mulher) é fato. Ninguém precisa de ninguém na verdade. A gente só está com alguém porque quer, porque gosta, porque se sente bem. Ou deveria ser assim. Será por isso que dura menos? A gente pondera menos e corta mais? Pode ser. Será que a gente não acredita mais na índole das pessoas? Também pode ser. Já ouvi essas duas hipóteses. Mas que pena né? Viver ressabiado e no fastfood amoroso não é bom pra ninguém. Pelo menos não por muito tempo...
Eu? Bem... tenho que confessar que já estive nesse mesmo caminho, fastfood amoroso, sempre desconfiada de todos, sempre achando que devia ser mais racional e menos emocional, com medo de levar as coisas a sério, medo dos outros saberem dos meus sentimentos, medo de acreditar nos sentimentos dos moçoilos que me relaciono, medo de sofrer, medo de admitir que também sou mulherzinha as vezes e que não gosto de ficar só, mais medo ainda de parecer uma louca a procura de alguém pra chamar de meu namorado, até porque confessando na real, eu não tava muito afim disso não, mas tem coisas nessa vida que a gente não controla. Aí um dia eu me tranquilizei, perdi o medo e deu no que deu. Casei.

É muito bacana quando você se pega pensando sem parar na mesma pessoa. Não, não naquela vaca que você quer matar, não questionando se o cara tá afim de sexo e só, e sim pensando com amor. Ter os pensamentos mais bonitos que já teve em relação a alguém, sentimento puro, incondicional, carinho enorme, vontade de cuidar, de fazer feliz, de dar toda a atenção e carinho do mundo.

Verdade que sempre fui meio ogra pra sentimentos, nunca me dispus a amar alguém como nos filmes, como nas histórias e como até meus pais se amam. Sempre tive carinho egoista pelas pessoas, gostava mas queria que elas fizessem o que eu queria, como eu queria e não me importava se estavam felizes ou não, muitas vezes até dizia quando redclamavam "não tá satisfeito sai fora!". E não me comovia se fossem mesmo ou não. Mas, dessa vez eu não quero que vá embora nunca, dessa vez eu quero ser feliz também mas principalmente fazer o outro feliz. Sabe que no meio dessa minha personalidade turrona e insensivel, alguém me fez pensar que vale a pena dar o braço a torcer as vezes, abdicar de algumas coisas, que cada escolha é sim uma renuncia. E sim, dessa vez eu quis fazer dar certo, quis fazer valer a pena... quis finalmente o meu "que seja eterno enquanto dure"... porque dessa vez eu tô certa que é amor. Não to muito me importando mais com minhas futilidades, pré-requisitos e blá blá blás que eu sempre usei pra afujentar quem gostava de mim, porque dessa vez eu quis ser amada de verdade, e se eu não for, paciência.... sou grandinha já... o que vai mais me deixar feliz é saber que pelo menos uma vez nessa minha tão bobinha vida eu amei.... Claro, não to afim de conjugar o verbo amar no passado tão cedo...Uiaaa... momento "in love" como diria o Jow ... kkkkk


Bjooooosss p meninada....
Danielle Lima ;)

sábado, 17 de julho de 2010

Comendo...

Eu acho bizarro quando estou almoçando com amigos, família ou colegas de trabalho e a vida de alguém vira o assunto principal. É como se meu bife imediatamente se transformasse na pessoa, em posição de leitão assado, com uma maçã na boca. Cheguei a comentar com uma amiga um dia, que estava com indigestão por ter almoçado uma fulana. Ela entendeu, riu e disse que a imagem nunca mais saiu de sua cabeça. Assim espero.Vamos propagar a filosofia: PESSOAS SÃO AMIGAS, NÃO COMIDA! NÃO ALMOCE A VIDA DOS OUTROS!

Eu posso ser o próximo grande assunto da família em algum almoço de domingo. Já cometi coisas "moralmente-socialmente-inaceitáveis" (pelo menos na opnião de alguns fulanos por ae...). Dá azia só de pensar.

O pior é que todo mundo tem uma solução para o seu "problema". Todo mundo tem uma opinião. Mas, ei: quem disse que essas coisas são um problema? Quem pediu uma opinião? Então, na próxima vez que sentar no refeitório e aquela colega vier comentar sobre as roupas da secretária, o caso da chefe, a gravidez acidental da namorada do motoboy, ou, no almoço de domingo, vier aquela tia comentar, cheia de "compaixão", que sua prima tem cara de drogada porque tem tatuagens e usa roupas estranhas, e começar a dar soluções para adestrá-la, grite: PESSOAS SÃO AMIGAS E NÃO COMIDA!

E por favor gente, eu amo comer! Comida é bom demais! Não há nada melhor do que sair pra jantar com alguém legal, fazer um pit stop com os amigos no MC, almoçar a comidinha da mamãe ou mesmo até preparar aquele almoço lá em casa pra gente que eu gosto. Só que esses momentos foram feitos pra serem felizes e inesquecíveis, pra comer algo bom e dar muitas risadas, não vamos estragar esses momento únicos fazendo esse tipo de coisinha né?

Beijinhos =D
Danielle Lima

A Carta...


Não dá mais pra negar, fodeu!
Você tá indo viver um novo mundo, buscar seu sonho, ter outras experiências, abrilhantar a vida de outras pessoas, levar sua luz e a sua criança interior [q é uma das suas melhores partes] pra deixar a vida de outros tão mais felizes como você deixou a minha.
Te conhecer foi uma das melhores coisas que me aconteceu na EAC.
Você não é só lindo, engraçado, talentoso, você é principalmente uma das melhores pessoas que eu conheço e tive o prazer de conviver e dividir o palco.
Um ser que a gente tem vontade de levar pra casa só pra não ficar longe. Tão pouco tempo, mais pra mim você é tão importante que já virou meu irmão caçula, de alma.
Amigo de verdade como os amigos devem ser, com suas palhaçadas, seu bom e mau humor, as tiradinhas sarcásticas, seus surtos estrelares, seus vícios a la Broadway, suas chegadas cantarolantes nos ensaios, suas birras, suas lágrimas, seus sorrisos, seus segredos, seus sonhos e seu talento... tudo que tem em você, vai fazer muita falta na minha vida, e não poder mais ter tudo isso pessoalmente durante a semana vai doer sempre.
Mas espero que você descubra outros mundos e seja muito feliz sempre, porque meu anjo, eu te amo muito e quero muito te ver cada dia mais feliz, e quero te encontrar nos palcos muitas vezes ainda, faremos alguns musicais juntos só pra não perder o costume meu garoto Broadway.
Você já sabe que pode brilhar, não tenha medo nunca, de nada, isso é só o começo, porque você pode conseguir tudo o que você realmente quiser, e como os velhos conhecidos, estaremos eternamente unidos, pra o que você precisar. Curta esse despertar de uma nova primavera na sua vida intensamente e venha me visitar, ou me convide pra te visitar em vez de quando, ou pelo menos mande um “oi” quando se lembrar, porque benhê, não vou esquecer de você jamais!

Te amo FELIPE CADOR s2

domingo, 11 de julho de 2010

Focando...

Quando estiver trabalhando, trabalhe. Quando estiver malhando, se concentre. Quando estiver almoçando, almoce. E na faculdade, estude.

Veja se a seguinte cena te parece familiar:você chega no trabalho, abre seus emails, fuma um cigarro ou toma um café (não faço nenhum dos dois...) e começa a fazer o que tem pra fazer.
Se é redator, pega o job de onde parou. Se é contorcionista, treina um giro novo, sei lá. Aí resolve abrir o Orkut do moço. Tem lá um recadinho "suspeito". Aí você entra na página da menina. Vê as fotos, vasculha todos os recados, vê os amigos em comum. A mente começa a viajar. Pronto. Seu dia de trabalho já era. Ou no mínimo algumas horas, até você ligar aos berros pra ele, armar um barraco e descobrir que não era nada daquilo. Ou então alguém no Msn te diz que talvez pode ser que quem sabe tenha visto seu namorado naquela festa badalada, enquanto, na verdade, ele estava trabalhando como havia te dito. Até provar, sua concentração morreu. Seu roteiro, seu projeto com prazo, sua prova de amanhã na facul.
É tão fácil na teoria, se dedicar ao right now. Mas é tão, tão difícil na prática.
Desligar. O que ele estaria fazendo? Com quem? Porque não retornou a ligação? E o celular desligado? O que significava?
Pára tudo! É preciso focar. Senão vira um bolo e nada sai direito. O trabalho sai mal feito, você sai da aula sem aprender absolutamente nada e da academia sem malhar o que deveria. E, no final das contas, se ele estiver mesmo em uma suruba intergalática com modelos da Vogue RG, o que você vai poder fazer naquele instante? Nada. E na pior das hipóteses o cara era realmente um imbecil que não te merecia e você, enquanto estava fritando sua úlcera, poderia estar lendo um livro bárbaro ou vendo aquele filme que todo mundo está falando. Você fica sem namorado e sem cultura, com o trabalho prejudicado e os exercícios mal feitos.

Portanto amiguinhas, como diria Palmirinha, vamos nos tornar mulheres interessantes, cultas, gostosas, desencanadas e de estômagos intactos. Eu acho terrivel, uma verdadeira falta de tempo se matar por causa dessas coisitas, mas conheço muita mulherzinha que morre por causa de um scrap. Cadê a auto-estima mulherada? Não confia no taco não? Vamos deixar de ser neuróticas, vamos? É a gente que ganha. E se ele merecer, vai saber valorizar a namorada foda que tem. Afinal, vão-se os canalhas, ficam-se os bons livros (minha biblioteca tá cheia.. por que será? rs...)
Eu sei, eles são necessários, mas aprendam algo que me falaram um vez e levo pra vida toda e sempre deu certo pensar assim ( sofre menos.. batata!): "não existe o homem da sua vida, existe sim, o homem do momento da sua vida, se não deu certo com esse, relaxa, tem sempre um próximo".
A gente não gosta de admitir o fracasso, mas nesses casos minhas lindas, o cara é que não presta mesmo, pois tenho certeza que você faz o que pode.

Selinhos... vários.. pra todo mundo... =P
Danielle Lima

Sentindo....

Esse post extra nessa semana é só porque tem uma coisa apertando meu peito, sabe?
Primeiro quero começar dizendo que tenho poucos, mas os que tenho, são os melhores amigos que alguém poderia ter. Tenho um amigo pra ser eu mesma, contar meus segredos e chorar no ombro. Tenho outro amigo pra falar mal e reclamar de tudo e de todos. Tenho o amigo certo pra rir e falar besteiras. Tenho o amigo ideal pra falar putaria. Tenho também o amigo perfeito pra rir dos outros e fazer maldades. Tenho amigo que é quase um filho. Tenho amigo que é quase um pai. Tenho amigos que são tudo isso junto.
O fato é que não sei demonstrar meus sentimentos; nem pros meus pais, nem pro meu marido, muito menos pros meus amigos. E hoje eu quero dizer pra todos eles: amo vcs, e independentemente do rumo que nossas vidas tomarem, vou sempre amar. Tem um lugar especial aqui dentro de mim pra cada um de vcs, e vai existir pra sempre. Mesmo os que não falo sempre, ou os que falo todos os dias, mesmo pros que moram perto, ou os que mudaram e estão se mudando pra outras cidades, mesmo que vc nem imagine, eu vou te guardar pra sempre.Dizer "adeus" a pessoas, cidades, situações, relacionamentos, escolas, faculdades, pra grupos.... nunca é fácil.... Quando essa decisão faz você recomeçar tudo denovo, principalmente pra mim que não faço amigos de verdade com facilidade, é muito mais dificil decidir e dar "adeus". Quando são vocês que vão pra longe, meu coração se corta, mas to aqui sempre pra quando algum de vocês precisarem, mas quando sou eu quem está se despedindo, parece doer muito mais pra mim.Claro que o que é de verdade nunca passa, que a distância não apaga uma amizade, que quando a gente se reencontrar vai parecer que foi ontem... mas é claro que sempre tem algo diferente, eu provavelmente não farei mais partipação nas cenas principais da sua vida, talvez eu não esteja mais ao seu lado quando bater aquele dúvida ou uma deprê... e vai ser estranho sempre... a gente se acostumar a estar assim... sem poder se tocar, abraçar, cheirar e olhar no fundo dos olhos sempre que quiser... mas pode ter certeza que estarei sempre pensando, lembrando, amando e buscando o brilhos dos seus olhos, seus cheiros, suas risadas, suas lágrimas, aqui no lugar onde reservei só pra você, e nesse momento estarei perto denovo e espero que faça o mesmo pra que eu possa estar perto de você também. Ei cara, eu sou a mesma. Aqui ou no Japão vou ser sempre a retardada sentimental, que só fala merda pra não parecer intelectual, que não sabe se é adulta ou adolescente, e que tem duas orelhas gigantes e óculos com lentes anti-reflexos, pra te ouvir sempre, escutar nossas musicas, falar ao telefone e ler sempre seus scraps, tweets, mensagens, e-mails e tudo mais... 
Droga! Meu coração apertado, tá apertando meus olhos e tá saindo água deles....
Droga! Vou sempre amar meus amigos e desejo tudo de melhor pra eles e ... vou parar por aqui porque quando fico sentimental demais perco a lógica textual...rs..

Beijos, abraços, cheiros, sorrisos e canções pra vcs... =´ )
Danielle Alves Lima...

sábado, 3 de julho de 2010

Sendo mulher-maravilha-comercial-de cerveja-mais-macho-que-muito homem...


É tudo muito bonito na capa da revista feminina.
Como ser mãe, gostosa, malhada, diretora “quadrilingue”, esportista, acordar na chapinha, de salto agulha, ser divorciada (casamento está out) e sustentar um super apê descolado e uma escola bacana pro seu filho, que só anda vestido por grandes designers.
Ter namorado, amante e 15 orgasmos a cada transa – você tem que transar no mínimo três vezes ao dia.
E no outdoor de uma marca gringa naquele shopping, é exatamente essa foto: uma modelo (leia-se magra, de cabelo incrível) com uma roupa luxo um bebê no colo, uma pasta e um squeeze.
Meu Deus! Socorro! É isso que querem de nós?
O pior é que a gente acabou comprando essa idéia. E os outros passaram a exigir essa mulher-maravilha-comercial-de cerveja-mais-macho-que-muito homem. Eu mesma já me peguei choramingando esses dias me cobrando tudo isso. Cadê o meu emprego bacana onde serei uma grande líder e poderei sustentar tudo isso? Nem consigo organizar minhas contas, juntar a grana conforme a planilha que fiz pro o ano, nem comprar coisas que eu preciso. Já faz um ano que não vou à academia, porque mesmo malhando horas por semana, a minha bunda não ficou parecendo nem um pouco com a da gostosa do outdoor.
Mal consigo tempo pra conversar com meu marido, vou eu ter amantes e 15 orgasmos por transa [sendo 3 transas por dia] de que jeito?
Me desespero pra realizar bem meu trabalho, pra fazer bem o que me proponho a fazer e pra isso quase infarto, como mal, mal consigo fazer as unhas e por que eu não consigo fazer tudo isso e estar linda na balada, hein? Nem saco pra ir num cineminha ando tendo.
Acho que é hora de respirar, eleger prioridades, aceitar que não somos invencíveis, pedir colo e ajuda sempre que precisarmos. Vale tirar uma soneca ao invés de malhar. Acordar de cara amassada, comprar pão (não integral) de chinelão de vez em quando. E ser mais low profile, por favor!
Posso?
E mesmo assim... nós somos mesmo mulheres-meninas-poderosas, só não igual nas revistas né? Uma pena...rs....

Beijinhos... :*
Danielle Lima

domingo, 27 de junho de 2010

Atrás da cena...


Vocês sabem que sempre me arrisquei no mundo teatral, né?. Já vi muitos espetáculos serem montados, grandes e pequenos. E é sempre a mesma coisa: no final, tudo fica lindo!
 Mas a montagem é tensa, dá trabalho, muitas vezes gera brigas, e no “behind the scenes” atrás do cenário, há os fios passando, material, gente correndo de um lado pro outro, problemas a serem resolvidos, um objeto fora do lugar, etc. Quem chega a um show, teatro, festival ou evento especial que seja, fica – na maioria das vezes – maravilhado com o resultado e nem imagina nada disso.

Esses dias estava pensando na inveja. Sim, todos sabemos que esse é um sentimento bem feio, certo? Mas, para algumas pessoas, creio que seja inconsciente – prefiro pensar assim. Tomo por mim: um dia uma menina chegou para mim e disse “Queria ser você. Você é bonita, inteligente, tem um astral ótimo, trabalha no que gosta, e forma um casal perfeito com o fulano”. Fiquei indignada. Como assim, queria ser eu? Mal sabia ela que trabalhar no que eu gosto não me dá dinheiro nenhum, e se não fosse por amar muito, não estaria ali, eu estou sempre endividada, com dinheiro apertado até para comprar comida, passo o maior perrengue todos os dias driblando tensões causadas por tudo isso, me senti super sozinha na maioria das vezes e... ok, inteligente eu sou mesmo, isso é indiscutível.

Nunca encontro o trabalho que me pague o básico e que continue me fazendo feliz, meu casamento “perfeito” também tem seus momentos de inferno, sou bonita ok? mas só porque Deus quer, mas já estive melhor, e o que me restou desse cenário foi apenas a inteligência e o bom humor que tento sustentar a todo custo, mesmo que em casa eu prefira ficar calada ou chorando sozinha. Sim, estou certa que estou reconstruindo coisas ainda maiores e melhores, mas o ponto não é esse. O ponto é que todo mundo tem um “behind the scenes” complicado, bizarro, triste, tenso, etc.

Vamos subir uma estratosfera no nível do exemplo:
Kate Moss - Linda, famosa, rica, fashion, blasé, tem uma filha linda.
Kate Moss - Viciada em cocaína, mãe solteira, casou com um cara que, na lua de mel, enquanto ela dava um rolê, a traiu no quarto do hotel com duas barangas que foram fazer um delivery de cocaína e acabaram por lá mesmo.

Qual a moral da história?
Não passar tanto tempo querendo o que é do outro. Fuçando a vida das pessoas, invejando os fotologs e orkuts alheios, achando que só você se ferra e todo mundo vive lindo na balada. Porque, com certeza, você tem problemas que consegue administrar, ou vai conseguir logo, ou eles vão todos passar . Pare de se fazer de coitadinho. Pare de pensar que os outros estão sempre na melhor. É bacana ser você. Mesmo com o behind the scenes. Dar uma aparadinha aqui, outra ali, um up aqui, outro acolá e se divertir. Afinal é disso que estamos falando né? Da vida! A vida que cada um tem, e que só muda, só melhora, se VOCÊ e ninguém mais, correr atrás pra que isso aconteça ok? E ninguém precisa ficar recebendo respingos da sua suposta infelicidade através da sua inveja, reclamções infinitas e mau humor constante. Acorda honey!

Bom, nada foi fácil na minha vida até hoje, mas mesmo com a tentação, busco não perder tempo me preocupando com a vida alheia. Gasto o meu tempo tentando construir o espetáculo que eu quero assisitir e que quero que os outros assistam, um espetáculo com sucesso de público, de crítica,(se isso for possível! impossible is nothing! rs...) e que sim, feito com muitos improvisos e percalsos, mas que tenho certeza que vai ser o melhor espetáculo que já fiz, o melhor evento que eu já organizei, e o melhor filme que eu já rodei... "Minha vida". E assim... sem querer me intrometer muito... acho que você devia fazer a mesma coisa.


Ai ai.. Carrapato não tem pai....rs...
Chega de pensar pessoa!
Vai se divertir agora...
Bjks sempre... t+

Danielle Lima ;)

sábado, 19 de junho de 2010

Saudades... quem diria...

Quando a gente é adolescente e passa a vida toda sendo controlado pelos nossos pais, não vê a hora de se livrar dessa clausura e vive dizendo " o dia que eu sair de casa, não volto nunca mais!" É ou não verdade? Principalmente quando rola aquela briga fenomenal com seu pai, do tipo que ele joga na sua cara que te deu tudo do bom e do melhor e que você é que não sabe reconhecer, nessa época você só pensa e até diz pra ele " não fez mais que sua obrigação, afinal, você é meu pai!"

É estranho assumir que pensamos assim, e que muitas vezes por mais que amamos papai e mamãe, temos vontade de sumir com eles ou ao menos a gente mesmo sumir da vida deles pra não ter que aguentar nenhuma lição de moral. Não há nada pior do que você ter certeza que é um ótimo filho, estuda, trabalha, não faz nada de mal, nem usa drogas e da sua familia você é um exemplo em relação aos outros da sua idade, e mesmo assim, ouve dos seus pais várias reclamações (infundadas na sua opnião), e ainda escuta horrores vindo deles em relação a você e não, nenhum tipo de reconhecimento por ser ótimo no que você faz, ser um destaque no que se propõe a fazer tipo : ganhar aquele campeonato, ter a melhor nota da sala, ganhar prêmios , passar no vestibular ( entre os primeiros colocados por sinal), ser super elogiado por todos pela sua educação e cultura, enfim, tudo isso parece não valer a minima pra seus pais, aliás, parece que só enxergam que você chegou tarde em casa ( mesmo que isso não seja comum pra você), que você deixou de fazer alguma tarefa pra eles, ou que você não tem a profissão e/ou nem o trabalho que eles queriam que você tivesse; essas e outras coisas parecem ter mais brilho na hora de sermos agraciados por sermões dos nossos pais. Não é sempre que isso acontece, mas quando acontece, a vontade de chutar o pau da barraca, falar o que vier na cabeça, ou até mesmo ir embora de casa entram e saem da nossa mente um milhão de vezes.

Oras, temos que reconhecer, nossos pais são uns heróis, são ótimos, realmente te deram tudo que foi possível, amam você sem dúvida e só querem seu sucesso, mas que eles conseguem magoar e ferir nossos egos, isso eles fazem muito bem! Na época de adolescente você não entende muito bem porque eles tem essa dupla personalidade, porque eles não te elogiam na sua frente, mas você sabe, que pros amigos deles, eles te põe num pedestal, daí você se pergunta " custa assumir pra mim que eu sou bom e parar de reclamar de mim?" Bom, a gente sabe que eles não vão fazer isso, então como cada um de nós lida com essa situação é bem diferente: alguns discutem, brigam e arrumam a maior confusão em casa e até saem de casa, mas infelizmente pela porta dos fundos, deixando em casa apenas a decepção nos corações dos pais. Outros (me incluo nessa categoria), apenas engolem seco todos esses momentos, e como todos os outros, tentam arrumar um jeito de sair dessa situação, alguns saem de casa, outros nunca saem (talvez por pirraça...rs..!) Os que saem tem duas opções normalmente: saem de casa casados, fazendo a maior festa e juram que só estão saindo de casa por amor a outra pessoa com quem estão casando e nada mais, outros resolvem bater cabeça sozinho, arrumam um lugar pra morar, um empreguinho pra se manter e ficam comendo o pão que o diabo amassou calados em casa sozinhos, pra não dar o braço a torcer que é fogo viver sozinho, sabendo que papai e mamãe não vão mais pagar suas contas e que vai ter que deixar de ir em algumas baladas, comprar algumas futilidades entre outros, pra poder pagar a conta de luz do seu cafofo e por aí vai.
Enfim, fazemos de tudo pra poder nos livrar da casa dos pais e isso não quer dizer que não os amamos e os respeitamos infinitamente, significa apenas que queremos cultivar nosso senso de individualidade e que não queremos mais viver sobre aprovação dos outros e sim tomar nossas decisões sozinhos (claro, nos livrar dos sermões deles também! rs...).

Maravilhoso não é? Sair de casa, independente de como for, é sempre muito bom. Mas melhor ainda é poder depois de passar a adolescência, reconhecer o quanto seus pais são maravilhosos, e se você hoje é o que é, mesmo sem eles não terem te incentivado como você queria, você deve isso a eles, mesmo que você ache que não, pois na pior das hipóteses, você chegou lá nem que tenha sido só pra provar pra eles que estavam errado a seu respeito e que você é sim uma pessoa responsavel, competente e orgulhavel! (Aliás, quem disse que eles não te esculacharam de caso pensado exatamente pra despertar essa força em você?)
Não dá pra reclamar desses seres que nos aguentaram por 18, 20 ou até mais anos, com todo amor e disposição, fornecendo tudo que nos era necessário (dentro do possível) pra chegar onde estamos.
Faltam alguns dias pra eu ver meus pais denovo, os dois estão em viagem de férias no nordeste, e isso me fez lembrar dessa fase de confusões e pensar o quanto eles foram fundamental pra eu me tornar a figura que sou hoje. Se sou forte, independente, decidida e batalhadora (isso os outros quem falam...rs...), sou assim porque de um jeito ou de outro eles me fizeram ser assim, seja por meio de brigas, esculachos, me desafiando a provar a eles o quanto eu era boa, ou nos momentos de carinho, risos e muito amor que sempre me deram.

Sim, sinto muita falta deles, saudades imensas, mas sei que eles tmabém sentem saudades de mim. Não que eu não fale com eles sempre, mas reconheço, não sou do time das pessoas que sabem demonstrar os sentimentos aos outros, e tenho um pouco de aversão a falar no telefone com pessoas que eu tenho saudades (confesso, dá vontade de chorar só porque não posso abraçar via telefone). Não muito tempo distante deles, mas por diversos fatores e principalmente pela correira e pelo ritmo de vida que eu tenho tido, talvez eu peque pela qualidade do tempo em que estamos juntos, e sinto muito por isso.
Mesmo que eu saiba que depois que eles voltarem,  voltaremos também a rotina, e provavelmente tão cedo aprenderei a dizer o que realmente sinto, só de saber que ainda tenho a possibilidades de abraçá-los e dizer o quanto eu os amo é fantástico. Nessas horas, a gente esquece tudo que ouviu deles e que nos machucaram e sim, repensamos tudo que fatalmente falamos ou fizemos que os machucaram também, e no meio daquele abraço saudoso, só pensamos em eternizar os momento felizes que eles nos proporcionam e quão feliz a gente é por eles existirem e nos amarem também, do jeito deles, as vezes demonstrando e muitas vezes não, mas certeza que amam.
Bom, vou parar por aqui, já escrevi demais hoje e já tô começando a chorar, coisa que não é muito comum pra mim admitir (adoro me fazer de forte e insensível, fraca jamais! eu sei.. isso é idiotice, mas fazer o que? mulherzinha sagitariana é fogo...rs...)


Bjos anjinhos!
Apoveitem bem o findes e até o próximo post....
Danielle Lima :)

domingo, 13 de junho de 2010

Digerindo...

É... eu gosto mesmo de optar nesse b-a-ba  que é esse mundo.
Gosto de ter opnião e falar o que penso mesmo.Sou irritante as vezes, eu sei.
Mas.... tem coisa que calam a gente, me calam e principalmente me pertubam, e as vezes, é preciso desabafar.
Passei minha aparentemente inútil tarde de domingo congelando de frio, e deitada na cama, zapeando despretenciosamento com o controle remoto, quando parei num filme e meio sem por que nem pra que comecei a assistir o documentário do José Padilha "Ônibus 174". Terminei de assistir meio sem saber o que pensar manja? Fez 10 anos ontem que aconteceu o sequestro do ônibus 174 do qual o documentário trata, no Rio de Janeiro, que terminou com a morte do seqüestrador Sandro do Nascimento e de uma das reféns, Geisa Gonçalves, com tiros disparados pelo bandido e pela polícia. Com imagens das emissoras de televisões e gravações próprias, o diretor José Padilha constrói uma narrativa dupla que mostra o desenrolar do seqüestro e a trajetória pessoal de Sandro intercalados com depoimentos. A família, a tia e alguns amigos são entrevistados, além de policiais que participaram da operação (um com o rosto coberto devido à proibição de dar entrevistas por parte do batalhão), alguns reféns, o viúvo da vítima e, até, um assaltante “profissional”.
O que acabou me deixando sem palavras hoje, já que na época em que tudo aconteceu eu não fazia noção do que se tratava, foi pensar o que será que eu posso e devo fazer pra que isso não se repita? Não tô querendo fazer média de boa cidadã não. Só que eu tive a sorte do destino ter me dado pais trabalhadores, um irmão ajuizado e condições de ter estudado bem, morado bem, conseguido o que quis por ser aceita , apesar de não ser da classe A, nessa nossa linda e maravilhosa sociedade... Você, só por tá lendo esse post também tá a mil anos luz na frente no quesito inclusão na sociedade do que o tal Sandro.
Não to falando que o cara era gente boa, nem que era inocente, nem nada. Só tô pensando na merda de vida que esse cara levou, nas oportunidades que ele não teve, no sofrimento e na rejeição, que ok, não justifica nada, mas alimentou tudo o que aconteceu. E hoje meu? E hoje não tem milhares e milhares de Sandros por aí?A gente sabe muito bem que tem... e oras... o que você tem a ver com isso? Esses Sandros que estão por ai e os que nascem todos os dias, são os mesmo que podem se revoltar contra a nossa lindissima sociedade e te roubar na porta de casa, e meter um tiro na cabeça do seu pai quando ele for estacionar o carro, roubar a sua mãe no farol e por ai vai...
Pra mim, pensar nisso é um soco no estomago que me trás um peso na consciência de não saber direito o que fazer.. e pior... não estar fazendo nada...
Enquanto eu descubro o que fazer... pensa ai tbm....
Começa parando de reclamar que seu celular tá arranhado e que não foi naquele show e tantas futilidades mais... e de reclamar que tem tanto crime nesse país.. porque se você não faz nada pelos Sandros da vida... eles fazer por eles e por você... e acho que você não vai curtir muito não...#FICADICA


Estalinhos... ;)
Danielle Lima

domingo, 30 de maio de 2010

Devagando...


O que será maior em mim?
A vida me mostrou que é pouco o que eu sei.
Descobrindo quem realmente eu sou... Libertando quem realmente eu sou...
Procurando nos meus sonhos... Inventando um caminho...
Deixo o instinto se exercer... Deixo a mente no silêncio...
Lembranças, cobranças, vinganças, saudades, vaidades, verdades, coragem, miragens e a imagem...
Não vê que eu sou assim ?
Assim como a dor que fere o peito, isso vai passar também...
E a dor... some no vazio.
Eu não consigo entender, apesar de ser tão claro, e, apesar de ser tão imenso, o mundo que você me deu... Percorre só.
Do olhar seguro e das promessas que eu ouvi... De amar, de ser um só, de nunca desistir...
O que era o certo é o incerto que ficou.
E que esse quarto escuro é minha alma... Perdida de amor.


Beijinhos...
Danielle Lima =)

sábado, 15 de maio de 2010

Abreuzando...

”E, de qualquer forma, às cegas, às tontas, tenho feito o que acredito, do jeito talvez torto que sei fazer”
”Não estou fazendo nada errado só estou tentando deixar as coisas um pouco mais bonitas”
"Relaxa baby e flui: barquinho na correnteza, Deus dará."
"Como a vida é tecelã imprevisível, e ponto dado aqui vezenquando só vai ser arrematado lá na frente"
'(...) e a gente esquece sabendo que está esquecendo.'
"sempre há alguma coisa que falta. guarde isso sem dor, embora, em segredo, doa"
"De vez em quando eu vou ficar esperando você numa tarde cinzenta de inverno, bem no meio duma praça, então os meus braços não vão ser suficientes para abraçar você e a minha voz vai querer dizer tanta, mas tanta coisa que eu vou ficar calada um tempo enorme. só olhando você, sem dizer nada só olhando e pensando: "meu Deus, mas como você me dói de vez em quando..."
" Porque ver é permitido, mas sentir já é perigoso."
" Ninguém te ensinará os caminhos. Ninguém me ensinará os caminhos. Ninguém nunca me ensinou caminho nenhum, nem a você, suspeito. Avanço às cegas. Não há caminhos a serem ensinados, nem aprendidos.”
"É dificil aprisionar os que têm asas"
" Não é que pensei outra coisa de gente grande? Esta é assim: tudo que parece meio bobo é sempre muito bonito, porque não tem complicação. Coisa simples é lindo. E existe muito pouco. "
' Para prevenir surpresas, tenho deixado sempre abertas todas as janelas e todas as portas...'
"(...) Estranho, mas é sempre como se houvesse por trás do livre-arbítrio um roteiro fixo, pré-determinado, que não pode ser violado."
”Você não vai encontrar caminho nenhum fora de você. E você sabe disso. O caminho é in, não off”
"Desistir não é nobre. E, arduamente, não desistimos."
"Felicidade é ter algo o que fazer, ter algo que amar e algo que esperar." " "Sei lá, menina, tá tudo tão legal — e um legal tão batalhado, um legal merecido, de costas e pernas doendo, mas coração tranqüilo." 
“Viro outra vez aquilo que sou todo dia: fechada, sozinha, perdida no meu quarto, longe da roda e de tudo: uma criança assustada.”
"Me diluem, me invisibilizam, me limitam àquele limite insuportável do que eles escolheram suportar, e eu não suporto. "
''Às vezes dá vontade de desistir de tudo, não sair mais de casa, dormir e dormir. Acabo sempre acordando cedo no dia seguinte, continuando tudo da mesma forma, na verdade não sei bem pra quê.''
"Queria consultar búzios, runas, pai, mãe, de santo ou não, qualquer coisa que me apontasse o rumo."
"Endureci um pouco, desacreditei muito das coisas, sobretudo das pessoas e suas boas intenções."
“A grande verdade é: não se fazem mais happy ending como antigamente.”
“Às vezes, quando ainda valia a pena, eu ficava horas pensando que podia voltar tudo a ser como antes.”
“Não se preocupe com não-respostas ou longos silêncios. Sou a pessoa mais indicada para compreender esse tipo de coisa.”  
"Tenho repetido que, no que depender de mim, me recuso a ser infeliz" 
 
Pra finalizar, preciso dizer, e essa é por minha conta: estou feliz por saber que o amor existe. E não estou falando de pai, mãe e filhos não. Tô falando daquele amor que depois da paixão arrebatadora, dorme tranquilo do nosso lado, deseja boa noite com um beijo suave, tras um cházinho quando se está gripado, atura todos os devaneios e desajustes nossos e que apesar de ser exatamente quem somos, está do nosso lado sempre e nos aceita assim... cheias de defeitos e qualidades que só ele sabe o que é.
Digo tudo isso porque sou feliz, e porque já provei o amargo do amor pra poder dizer que hoje ele é doce, mas aceito ele com o sabor que vier com cada amanhecer juntos... Que seja doce, amargo, azedo, salgado, suave, picante... mas que seja amor... que seja você...
 
Beijos... ;)
Danielle Lima

domingo, 9 de maio de 2010

Ser...zinho especial...


Mãe... vocábulo perfeito
Mais belo nunca se viu
Nas letras impõe respeito
Mas abençoa no til.
Mãe... uma só consoante
Unida a duas vogais.
A imagem da dor constante
No espelho do amor demais.
Mãe...três letras somente
Porém, que infinitamente
Singular substantivo
Que nunca se vai esquecer
Por quem se pode morrer
E a quem se deve estar vivo...

[Vinicius de Moraes]


Atire a primeira pedra quem nunca quebrou o barraco com a mãe.. quem nunca quis que ela fosse pro diabo que a carregasse.... que ela ficasse muda.. ou simplesmente desaparecesse nem q fosse num mísero segundo em algum momento da vida.
Mas fala sério... quem vive sem esses seres dotados de sentimentos inexplicáveis... que tanto nos amam e nos enlouquecem? Não importa se ela está perto ou não, se ela te deu a tenção que você queria ou não, se ela te trata bem ou não, se ela é a melhor mãe do mundo ou não... só de você hoje poder ler esse texto significa que ela disse sim pra você quando estava grávida e nem que seja por um instante te amou profundamente a ponto de te deixar nascer. Seja grato independente do seu relacionamento com ela.
E para pessoas como eu, que tiveram a sorte de terem mães que além do sim, cuidaram, amaram e nos paparicam até hoje, vamos gritar bem alto: MÃE EU TE AMO!
A minha mãe é esse loura linda da foto, a mulher que me inspira, o ser humano mais forte, mais inteligente, mais justa, mais caridosa, mais amorosa que eu conheço.
Um dia se eu for mãe, quero ser mãe de verdade como ela.
Inez, mamis da minha vida, e se houver outras vidas, em todas elas a gente deve ter sido mãe e filha: Te amo absurdos!

Beijinhos estalados!
Danielle Lima

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Criticando...

Ele sonha. Como ele pode ter o que dele está tão longe? Na vitrine coisas que nunca vai poder ter. Se ninguém ajudar o que ele vai fazer? Onde vai morar e o que vai ser quando crescer?
Quando vem da rua, que é sua, que é minha, que é de ninguém... é tudo uma ilusão e você sabe muito bem.
Impunidade, hipocrisia, dançam de mãos dadas o hino nacional de uma nação condenada.
A sociedade prega o bem, mas o sistema só alimenta o que é mal.
Se a nossa cara é prosperar, o povo tem que evoluir também.
Mais uma noite no vazio, lá fora o mundo louco, sem perdão nem compaixão.
A combustão em rota de colisão. A sinfonia da destruição.
Vivendo o sonho e também o pesadelo... Vendo o mundo regredindo entre a fé e o dinheiro,
Seja lá como for, na vida tudo tem seu preço.
No mundo, o falso e o verdadeiro se confundem mas, os que sabem jamais se iludem.
Não é fácil encontrar o caminho, mas é bom olhar pro lado e ver que não estou sozinho.
O que pode se esperar de um ser humano perdido?
Que ele viva como nunca fosse morrer?
Ou que ele morra como nunca tivesse vivido?
O que pode se esperar de uma pessoa que não pode sonhar?
Acostumado desde cedo com a desgraça em temporada de caça, um subnutrido vítima da farsa, se formou na escola do crime, hoje o oprimido é quem oprimi.
Uma alma carregada de ódio e amor... Mas muito mais ódio que amor.
O aluno e também o professor que ensina qualquer um que não sabe dar valor à vida que tem ou à casa que mora, que vive sorrindo enquanto ele chora.
Só mais um de milhares que se espalham , vítima dos nossos governantes que falharam.
Todo o mal que é dirigido a nós, nos fortalece e eu não vou desistir.
Nas armadilhas que eu cai eu fiquei só e ninguém viu!
O que vale nessa vida é o que se vive é o que se faz...
Seja dono do seu pensamento, a felicidade está em cada momento.
Seja dono de sua cabeça, mas saiba o que dizer para falar o que pensa.
Somos herdeiros da evolução mas se o mundo é tão desumano, será essa ilusão a nossa herança?
Pare o que está fazendo agora e grite alto e jogue tudo pra fora.
Hoje é dia de celebrar!
O quanto falta pra essa porra de mundo acabar?
Você corre e corre e ninguém entende você? Sua vida está na mão dos homens do poder!
Querem te jogar nesse poço profundo. O ser humano vale menos que um produto de consumo.
Ta todo mundo em choque, desandado e sem rumo.
No mundo joga quem sabe jogar, ganha quem sabe perder.
Se você não faz com a vida, a vida faz com você.
Tá tudo na sua mente, você tem o poder de livrar sua alma então tente ser o diretor do filme que passa na sua cabeça, roteirizado por você vá em frente consciente do seu papel...



Abraços... =)
Danielle Lima

domingo, 11 de abril de 2010

Odiando?

Ok... conviver com as diferenças é necessário minha gente!
É fato que na vida nunca vamos gostar de todo mundo e aceitar a todos como são, e muito mais difícilmente aplicaremos a filosofia cristã de "amar o próximo como a ti mesmo". O problema é que nem todo mundo é igual como você já deve ter notado. E agora, vamos matar quem a gente não gosta? Não , não... vamos eliminar apenas do nosso ciclo de vida e principalmente de amigos? Há algumas vezes que não tem jeito mesmo. A pessoa que você não suporta trabalha ou estuda com você, e por mais que você reze, ela vai estar ali todos os dias te lembrando porque você não gosta dela.
Vamos pensar um pouquinho? Quem sabe... assim... você não está sendo muito radical com ela? Será que não tem nada de bom mesmo nessa pessoa? Realmente é tão insuportável assim ou é só birra sua com ela?
Ela te fez alguma coisa diretamente que te prejudicou de verdade? Você tem certeza que o jeito dela não é um mecanismo de defesa e sim maldade pura?
Já pensou que as pessoas podem sentir o que você sente por ela, por você?
E você é tão maldito assim? Na verdade o certo seria perguntar... você é tão bonzinho assim?
Nunca prejudicou ninguém? Nunca zuou ninguém? Nunca menosprezou e nem envergonhou ninguém? Por medo ou insegurança nunca atacou primeiro antes de ser atacado?
Ah... mas o problema é que essa pessoa quer se aparecer... ou não sabe o que fala... ou fala demais... ou é incoviniente... ou não fala direito com você...ok!
E por acaso... em momento nenhum você também, mesmo sem maldade e sem perceber, fez tudo isso em alguma oportunidade na sua vida? E por isso você merece que todos se afastem e te odeiem de verdade? Gostaria que por deslizes seus as pessoas te repudiassem e fizessem complô contra a sua pessoa? Seria legal que os outros fossem pra casa tentando achar um jeito de te eliminar? Não né?
Então vamos ser mais tolerantes minha gente!
Sabe... as vezes a pessoa é maldosa mesmo, mas quem somos nós pra julgar?
E se não for maldade... você é quem tá se desgastando perdendo um tempo precioso da sua vida odiando quem não merece.
Vamos levar a vida com mais leveza... Se a pessoa é o que é.. deixa ela.. viva a sua vida sem se preocupar com isso, com certeza você vai ser muito mais feliz e quem sabe depois você não vai ver que tudo não passou de uma bobeira sua.
Quantas pessoas você já não fez cara de nojinho e depois acabou até virando melhor amigo dela? Isso aconteceu muito comigo. O fato de não gostarmos de uma ou outra atitude de uma pessoa, não condena ela à fogueira, ela é humana como você, e mais cedo ou mais tarde vocês dois vão aprender que tudo isso não vale a pena.
Paciência meus amigos! A vida é muito mais que suas vontades. Viva e deixem viver. O tempo prova o valor e a dimensão das coisas.
Sem exclusão ok?
Conviver com as diferenças pode ser o maior barato! E quem sabe você não aprende algo com esse ser que tanto te pertuba!

Beijocas e pipocas =P
Danielle Lima

sábado, 3 de abril de 2010

Discursando....

É meu povo... eu já estou terminando a pós graduação e agora é que consegui postar um vídeo com meu discurso como oradora da turma, na colação de grau da faculdade.
Publicitária... tão bonitinha e palhaça né?
Acho que quebrei todos os protocolos e, seguir o roteiro que nada, só li o texto em algumas partes... O coração falou mais alto...rs...

Sendo feliz...

Felcidade é algo muito relativo. O que traz felicidade para mim, definitivamente não traz para você. Todos passamos a vida toda em busca de uma felicidade, que com certeza não é um computador novo, o celular de ultima geração, a roupa de grife etc... O maior patrimonio que nós temos é o material humano que nos rodeia. As pessoas que foram colocadas na nossa vida e que muitas vezes não valorizamos o suficientemente, deixamos de falar  o que realmente devia ser dito e só perceberemos tarde demais. O que é importante pra nós? O que não é?
Descubra o que deixa você feliz ou triste. Aqueles que se deixam levar pelo sentimento sem procurar entendê-lo não conseguem fazer nada para mudar seu mundo. É muito importante que façamos essa viagem inteiror para que a gente consiga ser feliz de verdade. Se a nossa vida sentimental, emocional não estiver boa nada mais estará. Podemos ser bem sucedidos em tudo, mas se nossas emoções não tiverem em ordem, nada disso valerá.
Mas não responsabilize ninguém pela sua felicidade. Assim como no Mágico de Oz, a Dorothy e os outros buscam a felicidade no outro, ou seja, esperam que o Mágico de Oz dê a eles a felicidade que esperam. E o que acontece? Está tudo dentro deles mesmo! A possibilidade de Dorothy voltar para casa sempre esteve com ela, nos seus sapatinhos, mas ela nunca exergou isso e precisou pastar em várias situações até descobrir que a passagem estava com ela mesma.
Siga seu próprio caminho, sua próprias metas e objetivos, siga sua própria estrada pessoal. Ninguém sabe o que é melhor pra você além de você mesmo. Mas não esqueça, não procure fora, nos outros, o que pode estar simplesmente em você. Conheça você mesmo.
Beijos...
Danielle Lima