quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Entre diários e trens...

Olá Pessoas! Como vai caiçarada? E o fim do fundo como está? Noburenses já visitaram vocês? hehehehehe
Hoje não resisti a tentação de largar por uns minutos meus trabalhos e vir aqui.[aliás estou até o pescoço de coisa pra fazer... que muitas vezes nem trato muito bem a galera no telefone ou no msn... não consigo sequer dialogar num nível interessante]
Bom, eu tava lendo ontem umas coisas e um texto me fez vir aqui. Basicamente o texto começava falando sobre diários, essas coisas de menininha...rs... Enfim, lembrei dos meus. Em toda a minha vida só consegui ter um diário de verdade numa única época da minha vida: aos 16 anos. Tenho até hoje guardado e morro de medo que um dia meus pais leiam ele...rs.. Qual o problema? Bom... definitivamente foi o ano mais porra loka da minha vida, pra quem começou a ir pra balada aos 13, os 16 era quase uma vida adulta, balada todo findes, solteira pseudo-pegadora, várias coisas erradas e muitoooos.. muitooosss romances.
Todas aquelas páginas falando de aventuras, amigos e amores que eu nem lembrava mais e realmente deu uma saudade... "Saudade do que eu achava que a vida era, saudades de ter tempo pra ruminar dentro da minha cabeça as coisas que acontecem, saudades de escrever, saudades de ter dúvidas." [Ops... e não que essas coisas estãod e volta na minha vida atualmente...rs]
Algo que tinha de engraçado no texto que eu li , era a data onde a menina parou de escrever no seu diário, pois me fez lembrar do dia que eu parei de escrever no meu. O dela foi o dia em que conheceu o marido, o meu foi o dia que eu perdi a virgindade com o cara que depois virou o marido também...rs... Depois nunca mais escrevi.
A impressão que deu é que depois que a gente encontra um determinado cara, já não há dúvidas, já não há mais sobre o que ruminar, já não há mais sobre o que escrever.
Encontrar o cara que a gente acha que é certo é como pegar um trem, não tem muito o que dar errado. É uma linha reta. Para poder pegar esse trem eu subi e desci ladeiras, voei, nadei, andei em zigue-zague, passei por labirintos loucos...
E... eu...
Peguei o trem errado! rs...
Estranho hoje em dia pensar que por 5 anos você acha que tem certeza de tudo e no dia seguinte você não tem certeza de mais nada.
Mais estranho foram os primeiros dias, ainda mais como as coisas aconteceram,mas logo em seguida tudo isso se apagou... a juventude perdida naquela vida de casada voltou a tona... e aquelas duvidas... aventuras e zigue-zagues, subidas, descidas e toda essa loucura da vida floreia a nova estação...rs..
Contudo, essa inquietação parece ter hora certa pra acabar. A loka cansou dessa brincadeirinha e tá querendo se divertir pegando outro trem agora. Claro que a loka acha que esse é o trem certo... a gente sempre acha.. não quer perder a esperança. E se também não for o trem certo... a gente desse numa outra estação e pega outro trem... Afinal...não tem como fazer o mundo parar de girar, a vida não é fácil. Mas é uma só. E o único jeito que a gente tem é enfiar o pé no acelerador e sair vivendo.[Adorooo essa frase...rs.. ]

"Mais vale uma Dani voando que mil Danis presas" ...
Isso é bem real, mas voar não significa estar só.. significa apenas aproveitar o que há de melhor no momento.

Gente do fim do mundo...
vou me por aqui...
nos vemos essa semana ainda se Deus permitir...
Bjoooooooossss na boca p todo mundo..
[aliás... qnto tempo se bjar mulher.. ahahauhauaua "abafa"].
Dani Lima =P

Um comentário:

Pensando Alto! disse...

AdorOOoOO sua LouCAAAAA!
A gente se acostuma sempre com a mesma coisa...O mesmo TREM! AFFFFF....Qdo conhece um TREM NOVO...Não tem coisa melhor! Né?

Eita...Saudades do meu DiáriOOo...Ai se ele falasse eu tava fu***


BeijoOooO
AmoOoo